31/01/09

POR QUEM OS SINOS DOBRAM - LENIER VS ARONIAN EM WIJK AAN ZEE


LENIER DOMINGUEZ PEREZ - CORUS 2009 GRUPO A

Lenier Dominguez Perez (2717) - Levon Aronian (2750)
Corus 2009, Grupo A, Wijk aan Zee, Holanda, (11), 30.01.2009
ECO: C88

1.e4 e5 2.Nf3 Nc6 3.Bb5 a6 4.Ba4 Nf6 5.0-0 Be7 6.Re1 b5 7.Bb3 0-0 8.d4 Nxd4

9.Nxd4 exd4 10.e5 Ne8 11.c3 dxc3 12.Nxc3 d6;


13.Bd5 !? Lenier Dominguez;

O lance do GM cubano é novidade a nivel magistral.

13...Rb8 14.Be3 Be6; A resposta de Aronian é natural, mas parece-me que há outras possibilidades que devem no futuro ser consideradas.

15.Ba7 Bxd5 16.Bxb8 Bb7;

Proponho neste ponto uma nova ideia para as negras.

[ E eis a novidade !


16...Ba8 !! Viriatovitch;

A ideia é tentar aproveitar a má colocação do bispo branco um pouco inseguro em "a7".

Análises:
17.Ba7 c5 18.exd6
( 18.Nd5 ?? 18...Bxd5 19.Qxd5 Qc7 -/+ )
18...Bxd6 19.Qe2
( 19.Bxc5 ? 19...,Dg5 -/+)
19...,h6 20.Rad1 Qd7 21.h3 Nf6 22.f3 Re8 23.Qf2 Rxe1+
24.Qxe1 Qc7 25.Rxd6 Qxd6 26.Qe3 c4 -/+ ]

17.Ba7 Qa8 18.exd6 Bxd6 19.Bd4;


19...,b4 ?! Levon Aronian; 19...,c5 !;

19...,b4 ?!; É mais fácil perceber que esta não foi a melhor continuação depois de finalizada a partida.
No entanto, Leinier Dominguez no tabuleiro suspeitou imediatamente que esta seria a réplica adequada das negras.

[ 19...c5 !;
Análises:
20.Be5 Bxe5 21.Rxe5 Bxg2 oo 22.Rxc5 Nf6 23.Qd3 b4 24.Ne2 Rd8 25.Nd4 Ne4 !
26.Re5 f6 27.Rf5 Ng5 28.h4 Bh3 29.Rxg5 fxg5 30.Qxh3 Rxd4 31.Qe6+ Kh8
32.Rc1 Qg8 33.Rc8 Rd8 34.Qxg8+ Rxg8 35.Rc6 gxh4 36.Rxa6 g5 37.a4 bxa3
38.bxa3 Kg7 =/+ e são as brancas a terem de lutar para empatar a partida. ]

20.Na4 Bxg2 21.Rxe8 ! Qxe8 22.Kxg2 c5 23.Be3 Qc6+ !;

[ 23...Qe5 ? 24.Qf3 Qxh2+ 25.Kf1 Qe5 26.Rc1 c4 27.Rxc4 Rd8 28.Rd4 Qb5+
29.Kg1 Qxa4 30.Rxd6 Re8 31.Qc6 1:0 ]

24.f3 Re8 25.Bf2;


25...,c4 ?! Levon Aronian; 25...,Re5 !? Leinier Dominguez;

25...,c4 ?!; A última imprecisão de Aronian.

[ 25...Re5 !?; Outra sugestão do próprio Lenier Dominguez apresentada durante aa análises posteriores à partida.
Análises:
26.b3 Rg5+;
( O GM cubano propôs um imediato, 26...,Rd5 )
27.Bg3 h5 28.Kf2 Bxg3+ 29.hxg3 Qg6 30.Rc1 Rxg3
31.Qh1 Rg5 32.f4 Rg4 33.Rc4 Qf6 34.Qxh5 Rxf4+ 35.Rxf4 Qxf4+ 36.Qf3 Qd4+
37.Qe3 Qh4+ 38.Qg3 Qd4+ 39.Ke2 g6 40.Qd3 Qg4+ 41.Kf2 Qf4+ 42.Kg2 Qg4+
43.Kh2 Qh4+ 44.Kg1 Qg4+ 45.Kf1 Qf4+ 46.Ke1 Qh4+ 47.Kd1 Qg4+ 48.Qe2 Qd4+
49.Kc2 a5 50.Qc4 Qf2+ 51.Kd3 Qf3+ 52.Kd2 Qf2+ 53.Kd1 Qf3+ 54.Qe2 Qd5+
55.Kc1 Qg5+ 56.Kc2 Qf5+ 57.Kd2 Qg5+ 1/2:1/2 ]

26.Nb6 c3 27.bxc3 bxc3 28.Qd5 Qc7 29.Nc4 !;

[ 29.Rc1 Bxh2
( 29...Bf4 ? 30.Rc2 Bd2 31.Na4 h6 32.Nxc3 Bxc3 33.Qd3 Rc8 34.Be1 1:0 )
30.Qd7 Re2 31.Qxc7 Bxc7 32.Nd5 Be5 33.Nxc3 Bxc3 34.Rxc3 h5 35.Ra3 Re6
36.Re3 Rc6 37.a4 Kf8 38.Re5 g6 39.Bc5+ Kg7 40.f4 f6 41.Re7+ Kh6 42.Be3 Rd6
43.f5+ g5 44.Re6 Rxe6 45.fxe6 Kg7 46.Bd4 g4 47.Kg3 a5 48.Kh4 1:0 ]

29...Bb4;

[ 29...Bxh2 30.Re1 Rxe1 31.Bxe1 h6 32.Qa8+ Kh7 33.Qe4+ g6 34.Bxc3 Qg3+
35.Kf1 Qg1+ 36.Ke2 Qg2+ 37.Kd1 Qg3 38.Qd5 Qf4 39.Ne5 Qa4+ 40.Kc1 Bf4+
41.Kb1 Qb5+ 42.Qxb5 axb5 43.Nxf7 h5 44.Kc2 h4 45.Bd2 Bxd2 46.Kxd2 Kg7
47.Ng5 Kf6 48.Ne4+ Kf5 49.Ke3 b4 50.Nf2 g5 51.Nd3 g4 52.fxg4+ Kxg4
53.Nxb4 Kg3 54.Nd3 1:0 ]

30.Rc1 Re2; É um lance tão bom como outro qualquer. As negras estão perdidas de qualquer modo.

[ 30...Rc8 31.Ne3 a5 32.Qg5 Qd7 33.Qg4 +/- ]

31.Rxc3 h6;

[ 31...Bxc3 ?? 32.Qa8+ 1:0 ]

32.Re3 Rxa2;

[ 32...Rxf2+ 33.Kxf2 Qxh2+ 34.Kf1 Qh1+ 35.Ke2 Qe1+ 36.Kd3 Qb1+ 37.Kd4 Qa1+
38.Ke4 Qxa2 39.Ne5 1:0 ]

33.Re8+ Kh7 34.Ne3 Rxf2+ 35.Kxf2 Bc3 36.Kg2; As negras abandonam.
1-0




>>

30/01/09

ATAQUE DE INFANTARIA - INFANTRY STRIKE


DIA D - VIRIATOVITCH CHESS

Viriatovitch - Chermont
Rated blitz match, 27.11.2008
ECO: B86

1.e4 c5 2.Nf3 d6 3.d4 cxd4 4.Nxd4 Nf6 5.Nc3 e6 6.Be3 Be7 7.Bc4 0-0 8.Bb3 a6

9.f3 Nc6 10.Qd2 Qc7;

[ 10...Na5 ]

11.0-0-0;


11...,Nxd4 ?; 11...,Na5;

11...,Nxd4 ?;

[ 11...Rd8; 11...e5; 11...Na5 ]

12.Bxd4 b5;

[ 12...e5 ]

13.Kb1 Bb7


SECOND WORLD WAR - BRITISH INFANTRY

14.g4 Rfc8;

[ 14...Nd7 ]

15.h4 Ne8;

[ 15...Nd7 16.g5 b4 17.Na4 Qa5 18.g6 hxg6 19.h5 g5 20.h6 e5
( 20...g6 ?? 21.h7+ Kf8 22.h8R# 1:0 )
21.Be3 Bc6 22.hxg7 Bf6 23.Bxg5 Bxg7 24.Bh6 1:0 ]

16.g5 b4;

[ 16...Qd7 17.h5 a5 18.g6 ! a4 19.h6 ! Nf6

a) 19...axb3 20.gxh7+ Kh8 21.hxg7+ Nxg7 22.Bxg7+ Kxg7 23.h8=Q+ Rxh8 24.Rdg1+ 1:0;

b) 19...hxg6 20.hxg7 f6
(20...Nxg7 21.Rh8+ Kxh8 22.Qh6+ Kg8 23.Qxg7#)
21.Rh8+ Kxg7 22.Qh6+ Kf7 23.Rh7+ Ng7 24.Qxg7+ Ke8 25.Rh8+ Bf8 26.Rxf8#;

20.gxh7+ Nxh7 21.hxg7 axb3 22.Qh6 bxc2+ 23.Kxc2 1:0 ]

17.Na4 Rab8 18.h5 Bc6 19.g6 Qa5;

[ 19...h6 20.gxf7+ Kxf7 21.Qf4+ Bf6 22.Bxf6 Nxf6 23.Rxd6 Rd8 24.e5 Bxa4
25.Bxa4 Rxd6 26.exd6 Qc5 27.d7 Rd8 28.Re1 Ke7 29.Qg3 Qg5 30.Qh3 e5
31.f4 Qxf4 32.Qg2 Qg5 33.Qxg5 hxg5 34.Rxe5+ Kf8 35.Rxg5 Nxd7 36.Rd5 Ke7
37.Bxd7 Rxd7 38.Rxd7+ Kxd7 39.c4 1:0 ]


20.h6 !;

20...Bxa4 21.gxh7+;

[ 21.hxg7 Nxg7 22.Qh6 Kf8 23.gxh7 Ke8 24.h8Q+ Kd7 25.Q8xg7 1:0 ]

21...Kh8 22.hxg7+ Nxg7 23.Bxg7+ Kxg7 24.h8=Q+ Rxh8 25.Rdg1+ Kf6 26.Qf4+ Qf5

27.exf5 Bxb3 28.Qg5+ Ke5 29.f6+ Kd4 30.Rg4# 1:0


FLAG OF OUR FATHERS


>>

25/01/09

Fortaleza Inexpugnável (?)


Este final decorreu numa partida de treino recente, Marinus Luyks - Rui Marques.
Eu não estava muito convencido que a posição do diagrama estivesse ganha, mas nestes casos cabe sempre ao defensor provar que consegue o empate – e com pouco tempo é sempre mais difícil...
O problema é que o Bispo preto não pode atacar os peões brancos, e o peão "d4", bloqueado pelo Cavalo branco, tapa os caminhos no centro às peças pretas.
No minimo ia ser um sarilho para conseguir penetrar na posição Branca...

35...Rd7
36.Cd3 Rc6

O Rei dirige-se ao único sitio onde pode penetrar - a ala de dama!


37.f4? b5!
38.Rf3 bxc4
39.bxc4 Rb6
40.Re2 Ra5
41.Ce5!?



Um grande barrete!
41...Rb4!
Evitando 41...Bxe5?? 42.fxe5 Rb6 43.e6 Rc6 44.c5!


E como o rei preto não pode jogar, as pretas vão ficar em zugzwang! E aí terão de avançar os peões passados “d” e “f”, que servirão de refeição ao Rei branco! As Brancas ganham!

42.Rd3 Bxe5!
43.fxe5 Rc5



Aqui o final de peões está ganho pelas Pretas – são as Brancas que vão ficar em zugzwang e perder o peão "e".

44.a3 a6
45.h4 h5
46.a4 a5
47.e6 Rd6
48.c5+ Rxe6
49.Rxd4 c6
0-1


Após a partida o meu adversário comentou que tinha jogado 41. Ce5!? por pensar que, se viesse com o Rei defender o peão “a” eu sacrificava o Bispo e os peões ganhavam ao Cavalo.
Ora vejamos:

41.Rd2 Ra4
42.Rc2 Ra3
43.Rb1


Aqui o sacrificio 43...c5 44.Ra1 Bxf4?? é um erro. 45.Cxf4 Rb4 46.Rb2 Rxc4 47.Rc2


Os peões passados estão bloqueados e o Cavalo tem vantagem. No entanto o Rei preto está muito activo – pode atacar o peão a2 – e o resultado correcto deve ser um empate.

Mas então como ganhar nesta variante?
Depois de muito puxar pela cabeça, cheguei à conclusão que o peão d4 só está estorvar o jogo das Pretas!
Daí a seguinte variante:

43...Bb4
44.Ce5 Bd2
45.Cd3 Bc3
46.Ce5



46...d3!!
47.Cxd3 Bd4
48.Ce5 Rb4
49.Rc2 Bxe5!
50.fxe5 Rc5
51.Rd3 Rc6



E o Rei preto dirige-se à casa e6. Aí o Rei Branco terá que ir para d4 ou f4 para defender o peão e5, mas as Brancas vão sempre ficar em zugzwang, até porque as pretas têm 3(!) peões na casa inicial, que lhe garantem montes de tempos de reserva para passarem a vez às Brancas! As Pretas ganham!

O único senão desta variante é que o computador descobriu um ganho mais simples - 46...Rb4! 47.Rc2 a5!

E se as Brancas jogam o Rei para a frente perdem o peão a2, ou se jogam o Rei para trás permitem d3 e o Rei preto entra, comendo o peão c4. As Pretas ganham facilmente.

Mas o meu adversário fez outra sugestão – e se, em vez de 37 f4, as Brancas jogassem 37 a4 com a ideia de trocar uns peões e não deixar o Rei preto entrar? Aí pelo menos já não havia o peão fraco em "a2" ...

37.a4! a6
38.Rf2


38.b4 é uma sugestão do computador, com ideias de fechar tudo com b5, mas perde, porque deixa “buracos” atrás dos peões que avançam... – como este post já vai um pouco longo, deixo as análises aos leitores...

38...b5!?

38...Rd7 39.Re2 c6 40.Rd2 b5? 41.axb5 axb5 42.cxb5 cxb5

E o Rei preto não consegue entrar... O Cavalo e os peões fecham tudo, o único buraco, em h4 é facilmente tapado pelo rei Branco. Empate!

39.axb5+ axb5
40.cxb5+!


40.Re2 bxc4! 41.bxc4 Rb6 42 Rd2 Ra5 43.Rc2 Ra4 44.Rb2


Parece que as Pretas não entram, mas:

44...c6! 45.Rc2 (42.Ra2 Ba3) 46...Ra3 e o Rei preto consegue entrar

41...Rxb5
42.Re2


E eu não vejo como é que as Brancas conseguem ganhar, por exemplo:

43...c5
44.Rd2 c4
45.bxc4 Rxc4
46.Cb2+! Rb3
47.Cd1!




48...Rc4
49 Cb2+

Thou shall not pass!



22/01/09

My Best Games with Black - Crítica ao DVD





Nos últimos tempos têm proliferado os DVDs sobre Xadrez.
Se bem que a aproximação passiva de assistir a explicações não seja definitivamente a melhor para evoluir no jogo, certamente que ouvir o que os mestres têm a dizer sobre o jogo não pode fazer mal a ninguém.
E é bastante fácil, é só ligar o computador e ficar a ver...
Desde que também se façam outras actividades e a pessoa não se transforme num vegetal...

A Chessbase tem lançado vários produtos destes, entre os quais várias apresentações de Alexei Shirov, que, ao que parece, têm tido um enorme sucesso.
Shirov é um jogador de topo, uma autoridade, e explica muito bem o que acha de vários aspectos do Xadrez, sendo bastante claro e acessível, para vários níveis de jogadores. Além disso o espectador tem um relato na primeira pessoa do que realmente se passa no topo do Xadrez, o que é sempre muito interessante.

Estes DVDs têm também um forte valor recreacional, de puro gozo.
E neste aspecto o Shirov é muito bom.
Não só o seu estilo de jogo é fascinante, como o seu estilo pessoal é altamente cativante – humilde, com grande sentido de humor e um inglês francamente bom, em que o sotaque russo só lhe fica bem.

No entanto, na ansia de explorar este filão, acho que o team Chessbase-Shirov se excedeu num dos últimos DVDs – My Best Games with Black.

A ideia do DVD parece ser explicar como se deve jogar de pretas.
Neste âmbito o Shirov tenta dar vários conselhos e formular várias regras. No entanto, não me parece que o tipo de conselhos que ele formula (visando especialmente preparação de aberturas e estudo de repertório dos adversários) se aplique à maioria dos comuns mortais, ou até que muitos percebam do que ele está a falar...
Além disso o espectador fica na dúvida porque é que aqueles conselhos servem para ganhar de pretas e não de brancas...

Estas regras e conselhos soam bastante mal, e tirando a partida da introdução, contra Ivan Sokolov - um caso clássico em que era preciso ganhar de pretas - acabam mesmo, a meu ver, por cair no ridículo.
Claro que ao mais alto nível ganhar de pretas é um problema, mas Shirov às tantas até admite que - se as brancas quiserem mesmo empatar, é melhor escolher outro dia para ganhar de pretas!

Ainda por cima ele atrapalha-se constantemente quando começa a expor os seus pontos de vista sobre as aberturas das partidas – acabado por confessar que não se trata de um DVD sobre aberturas, ficando tanto o espectador como o próprio Shirov por ficar sem perceber muito bem o que pensar das linhas jogadas...

Quanto à selecção das partidas, até aí ele consegue meter água.
Apresenta um empate de salão com o Ivanchuk - que admite não ter nada a ver com as suas melhores partidas – o facto é que temos 10 minutos sobre uma não partida.
E uma partida com o David Navara que este perdeu por dar o peão e4 - com um erro tão mau que até eu ficaria com as orelhas encarnadas – dificilmente uma “melhor partida”...

Claro que há muitas partidas boas e até importantes, e ficamos a saber das atribulações da vida do Shirov, como quando ele deixou de ser convidado para os torneios de topo e teve que passar a jogar opens (como convidado), ou de como ele se embrenhou numa floresta da Sibéria, armado com os sticks do ski para enfrentar um eventual urso!

Ou seja, os DVDs Chesbase do Shirov são em geral muito bons, mas não comecem por este - porque podem ficar com uma ideia errada sobre o significado de uma expressão muito utilizada por ele:

“Totally ridiculous!”



21/01/09

BENJAMIN FRANKLIN E O XADREZ - POR RUI MARQUES


BENJAMIN FRANKLIN - VIRIATOVITCH CHESS

Benjamin Franklin, um dos pais fundadores dos Estados Unidos da América, era também um grande adepto do Xadrez.
Há pouco tempo um colega do Alekhine chamou-me à atenção para um documento que ele nos deixou (tal como a Declaração da Indepêndencia e a Constituição dos Estados Unidos – se bem que esses ele não assinou sózinho...), sobre o Xadrez e o comportamento que os cavalheiros deviam assumir perante o jogo.

O documento é um pouco extenso para publicar na integra, mas aqui vai uma tradução do primeiro parágrafo:

“O Jogo do Xadrez não é apenas um divertimento fútil;
várias qualidades muito importantes do espírito, úteis no decurso da vida humana, podem ser adquiridas e reforçadas por ele, de maneira a tornarem-se hábitos a serem usados em todas as ocasiões, pois a vida é uma forma de Xadrez, na qual muitas vezes temos pontos a ganhar, e adversários a enfrentar, e na qual acontecem uma grande variedade de eventos, positivos e negativos, que são, num certo grau, afectados pela prudência, ou pela falta dela. “

Pode ler todo o documento (em inglês) na seguinte página: Ben Franklin

Altamente aconselhado a todos os Xadrezistas!

06/01/09

O BISPO NEGRO - POR RUI MARQUES

Os Bispos têm como limitação apenas se poderem movimentar sobre casas de uma cor.
No entanto, sobre as casas dessa cor, se a estrutura de peões o permitir, podem-se tornar peças muito poderosas.
Nestas condições, o desaparecimento do Bispo adversário que se movimenta em casas da mesma cor, e que se pode opor ao nosso Bispo, pode se transformar numa grande vantagem.

Em várias variantes de abertura, como por exemplo na Defesa Siciliana, variante do Dragão, os bispos de casas pretas são preciosos, e às vezes até se sacrifica a qualidade só para eliminar o Bispo adversário.
Por isso muitos jogadores dogmáticos (como eu) ficam de cabelos em pé quando vêm um bispo importante trocado por um cavalo, sem uma boa (excelente) razão, só para ganhar um ou dois tempos...a desvantagem a longo prazo é considerável.

Convém salientar que a estrutura de peões e/ou a iniciativa jogam um papel decisivo, e que muitas vezes dá se o caso de um Bispo ser relativamente fraco, ou mesmo “mau” – um autêntico peão alto!

A partida que se segue mostra bem o valor que estes bispos podem ter:

(10) Marques,Rui (2150) - Garcia,Antonio (1979)
GXA Outono Lisboa (5.2), 31.10.2007
ECO; B21

1.e4 c5
2.Cf3 e6
3.d4 cxd4
4.c3!?
O Gambito Morra – as brancas dão um peão para abrir linhas e acelerar o desenvolvimento – na esperança de decidir o jogo com um ataque.
Se a partida não chegar ao final ninguém vai dar pela falta do peão...
4... dxc3!
As pretas aceitam, sabendo que a refutação de um gambito começa com a sua aceitação. Há muitas maneiras boas de recusar o peão, mas aceitá-lo é obviamente o lance corajoso!
5.Cxc3 a6
6.Bc4 Bb4?!
Este plano existe, e é arriscado - mas sem a6 - uma perda de tempo importante numa variante tão aguda
7.0-0 Bxc3?
Coerente - o plano é tirar os cavalos e fazer d5. Mas as pretas prescindem do seu defensor das casas negras - e nunca vão ter tempo para executar o dito plano. Um espectador observou que este era provavelmente o erro principal da partida - e se calhar até é!
8.bxc3 Dc7


9.Ba3!
Ilustrando imediatamente a falta do Bispo preto! O Bispo branco das casas pretas transforma-se num monstro!
9...Ce7
[e não 9...Dxc4?? 10.Dd6 Rd8 11.Ce5 com uma decisão imediata]
10.Bb3 Cbc6
O desenvolvimento está completo, é preciso fazer um plano



11.Cd4!?
As brancas abrem caminho para o peão "f".
[11. Bd6 para tentar explorar as casas pretas através de um bloqueio seria outra opção.]
11...Ca5
As pretas seguem uma estratégia coerente - trocar peças e eliminar o par de bispos branco. No entanto a peça chave das brancas vai ser o Bispo das casas negras - cada Cavalo preto que desaparece é menos uma peça para poder defender casas pretas! A perda de tempo torna as coisas ainda piores...
[11...0-0 12.f4! com iniciativa no flanco de rei; 11... Cxd4? 12. cxd4 apenas serviria para reforçar o centro e melhorar a estrutura de peões das brancas]
12.f4! Cxb3
13.axb3 Cc6?
Continuando com a estratégia errada - este é provavelmente o erro decisivo – a iniciativa das brancas torna-se irresistivel.
[13...d6 era a única - era obrigatório limitar o Bispo branco e tratar de fazer roque]
14.Dg4! g6
Triste necessidade - as casas pretas transformaram-se um enorme buraco, pronto para ser ocupado pelas peças brancas!




15.f5! Cxd4
[15...e5 16.fxg6 hxg6
(16...d5!? 17.gxf7+! (melhor que 17.g7!? Tg8) 17...Dxf7 18.Dh4 Dg7 19.Cxc6 e o rei preto, no centro, não vai sobreviver)
17.Txf7! exd4 (17...Rxf7 18.Tf1+ Rg7 19.Cf5+ Rh7 20.Dh4+ Rg8 21.Df6 com mate) 18.Th7!! Tg8 19.Th8!!
claro que não era preciso ver isto tudo para jogar um lance óbvio como f5, desimpedindo as casas pretas (até para o Bispo!) e abalroando a estrutura de peões negra! Mas quando se tem tempo convém sempre verificar as variantes...]
16.cxd4 d6
Finalmente se faz alguma coisa para tapar o terrível Bispo e dar jogo ao próprio - mas é demasiado tarde!
[16...e5 17.fxg6 hxg6 18.Dg5 d6 19.Df6 e ganha]



17.Dg3!
A Dama vem ajudar o Bispo no ataque às casas pretas!
17...Db6
[17...e5 18.dxe5 dxe5 19.Tac1 Db8 20.Txc8+! Dxc8 21.Dxe5+]
18.Bxd6!
Obstáculo eliminado!
18...Dxd4+
19.Rh1 Dg7
[19...Db6 20.De5 Tg8 21.fxg6 hxg6 22.Df6; 19...Dxe4 20.Dg5 São duas variantes que ilustram o tema da posição]



20.f6!
No fim de tudo é um peão que sela o destino das pretas!
20...Dh6
21.Ba3 Bd7
O Bispo preto entra finalmente em jogo - mas apenas para assistir impotente ao jogo branco nas casas pretas. A Dama e a Torre de rei foram postas fora de combate pelo peão f6.



22.Dd6!
O tema!
22...0-0-0
Claro que deixar o Rei no meio não oferecia esperanças. Mas depois deste lance segue-se um mate forçado.
[22...Rd8 23.Tad1; 22...Df8 23.Dc7 Tc8 24.Dxb7 Dh6 25.Tad1 Td8 26.Be7 são massacres possíveis]
23.Tfc1+
A outra torre fica na coluna "a" para entrar depois
23...Bc6
24.Txc6+!
Típico - a realização do dominio das casas pretas concretiza-se com um sacrificio nas casas brancas!
24...bxc6
25.Dxc6+ Rb8
26.Bd6+!
O Bispo cumpre a sua última missão!
26...Txd6
27.Dxd6+ Rc8
28.Dxa6+ Rc7
29.Dc4+ Rb7
30.Db5+ Rc7
31.Ta7+ Rd6
32.Td7#?
1-0
No fim de um jogo tão bom tinha que fazer asneira! [32.e5# era bem mais temático!]



Mate nas casas pretas!




>>